quarta-feira, 27 de julho de 2011

Livre Arbítrio

Plano de aula Mocidade Espírita Nosso Lar
Coordenadores:
Data: 18/06/2011
Tema da Aula: Livre Arbítrio
Atividade
Tempo previsto
1.     Recepção
5 min
2.    Alegria Cristã
10 min
3.    Prece
5 min
4.    Conteúdo: Livre-Arbitrio- Dinâmica Fazer aos outros
10 min
5.    Objetivos: Fazê-los refletir sobre a liberdade e suas conseqüências;debater o assunto com base em O livro dos Espíritos (Causas Anteriores de nossas aflições); ajudá-los a perceber que o homem é feliz ou infeliz, conforme as escolhas feitas por si mesmo; levá-los a observar que não há fatalidade nos menores acontecimentos da vida e que, muitas vezes, somos os responsáveis por algo que sai errado; treiná-los na contestação de sofismas.
6.    O que é a liberdade? Qual é o grau da liberdade de que dispomos? Por que ela não é total?
7.    * Após ouvir e comentar respostas, dizer que:
* Liberdade é o estado daquele que é livre, a ausência de constrangimentos físicos ou morais. * Nosso grau de
liberdade é limitado. A partir do momento em que dois homens convivem, há direitos recíprocos a respeitar, logo não existe liberdade completa de ação. Somente vivendo como eremita o homem pode aspirar a uma completa liberdade de agir. No estágio atual do planeta, dar aos homens liberdade completa de ação seria instaurar o caos.

 Liberdade de pensar e de consciência - Perguntar se há algo em que o homem seja totalmente livre. Incentivar a participação.
* No pensamento, o homem é completamente livre, embora deva a Deus contas sobre o que reflete. "Cuidado com os teus pensamentos: eles gerarão tuas palavras; cuidado com tuas palavras: elas gerarão tuas atitudes; cuidado com tuas atitudes: elas gerarão teu destino." (Autor desconhecido)
3.1. Qual a conseqüência da liberdade de pensar?
* Após ouvir respostas, explicar que do fato de podermos pensar livremente resulta que temos também a liberdade
de consciência. Essa liberdade de consciência se reflete nas nossas crenças e na maneira de nos posicionarmos diante das mais diversas situações.
3.2. A pretexto de respeitarmos a liberdade de consciência, devemos deixar que se propaguem idéias falsas? Devemos buscar esclarecer aqueles que pensam de forma notoriamente equivocada?
* Podem- se reprimir as manifestações externas, mas não há como opor obstáculo à convicção íntima. Podemos e devemos esclarecer aqueles que seguem idéias falsas, mas devemos fazer isso, a exemplo de Jesus, com brandura, sem violência, com paciência e firmeza, lembrando que uma crença não pode ser imposta. A imposição já produziu muitos incrédulos.
4. Livre- arbítrio - Perguntar: O que é o livre- arbítrio? Nós o temos? Por quê? Ele existe sempre no mesmo grau?
* Após dar a eles a oportunidade de opinarem, dizer que o livre- arbítrio é a liberdade de dirigir- se a si mesmo, ter a escolha dos próprios atos.
* Todos temos o livre- arbítrio, pois, do contrário, seríamos simples máquinas. Se temos a liberdade de pensar, possuímos também a de agir. O livre- arbítrio é exercido conforme a vontade e as necessidades do homem.
Uma criança, por exemplo, não o utiliza para decidir grandes coisas, do ponto de vista de um adulto, mas para escolher algo como brincar ou assistir à televisão. Nos primeiros anos, quase nula é a liberdade.
4.1. O meio social exerce influência sobre o livre- arbítrio? E o organismo físico?
* Após ouvi-los, explanar que sem dúvida a vida em sociedade tem suas exigências, mas que Deus tudo leva em conta. Culpados seremos por não lutar para modificar uma situação negativa em que nos encontremos. Um exemplo: somos levados pelas circunstâncias a estudar em uma escola em que o ensino é fraco e nos acomodamos, tirando dela muito menos do que poderia nos oferecer, quando poderíamos buscar forma de obter tudo o que ela pudesse nos dar e ainda um pouco mais.
* O corpo também pode oferecer embaraços à livre manifestação do espírito. Contudo, é preciso notar que aquele não dá as características deste. Um homem violento cujo corpo é forte tem a predisposição para as brigas não por culpa do seu físico, mas porque a tendência está em seu espírito. Há homens fisicamente fortes que utilizam sua força para trabalhar, enquanto existem fracos violentos, que só não batem nos outros por lhes faltarem condições.
20 min
8.    Prece
5 min
9.    Encerramento e lanche
10 min
Total
1h e 5 min

“FAZER AOS OUTROS...”

material: papel ofício, lápis.

TEMPO DE DURAÇÃO: 10min.

NÚMERO DE PARTICIPANTES: (+) de 15  pessoas.

PROCEDIMENTOS: o monitor irá dividir o grupo em pares, e entregar um pedaço de papel a cada dupla, depois pedir para que um dos componentes passe uma tarefa para o outro componente fazer. após a conclusão de todos, o monitor pedirá para que aquele que passou a tarefa  a  realize.

OBJETIVOS: mostrar ao jovem a “ lei de ação e reação ”, e que devemos desejar ao próximo aquilo que DESEJAMOS para nós.

Um comentário:

  1. Nossa, gostei muito deste blog, me ajudou muito, obrigada e que Jesus continue iluminando vocês!!! Muita paz!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...